“Ui ui ui eu tenho Libertadores ui ui ui”

Aos meus amigos torcedores do Clube Atlético Mineiro,

Agora que passou (um pouco) da euforia pela conquista de quarta-feira, venho aqui dar-lhes as boas vindas ao clubinho “Ui ui ui eu tenho Libertadores ui ui ui”.

À partir de agora vocês terão um lugar cativo no panteão dos imortais torcedores de times que venceram a “principal competição da América”.

Portanto, a partir de agora, toda vez que for iniciar uma discussão sobre futebol com qualquer outro torcedor (não importa se ele torce por um time da quarta divisão capixaba ou para um finalista da Champions League) você vai fazer isso:

Antes de tragar seu charuto cubano, pergunte (com ar blasé): “Senhor (pode usar o “Sir” ou “Monsieur” também), seu time tem Libertadores?”

Em caso de resposta negativa, dê uma risada de deboche e, entre um gole e outro da sua dose de Blue Label, comece a falar da espetacular vitória do cavalo Monty Pass no Grand National de 2003, na Inglaterra. Caso a outra pessoa discorde de você (afinal a vitória do Monty’s Pass nem foi tãããão espetacular assim), interrompa-o no meio da argumentação e refaça a pergunta: “Seu time tem Libertadores?”. Repita essa pergunta à exaustão sempre que coitado discordar de sua pessoa.

Caso o pobre diabo torça por um time que já venceu a Libertadores, pergunte a ele se existia TV à época ou se ele teve que escutar tudo pelo rádio.

Essas dicas são só pra vcs começaram a se enturmar no clubinho e não sentirem tão deslocados. Com o tempo pegarão o jeitão da coisa.

Cordialmente,

Anselmo Zacarias Portes
Campeão da Libertadores desde 2012

E agora?

Image

Fantasy Premier League – Season 2011-2012

Péssima performance comparando com a do ano passado.

Esse foi meu time na primeira rodada:

E esse foi meu time na última rodada:

Fantasy Premier League – Season 2010-2011

This was my performance :

Na liga “Brasil” cheguei a ficar em 44º lugar pouco antes do final. Mas fui muito mal nas últimas 3 rodadas e acabei despencando para 98.

No geral fiquei em 143.377º de um total de mais de 2 milhões de participantes.

Próxima temporada tem mais! Agora vamos para o Cartola FC!

Supergoleiro

Minha seleção para Copa 2010

São 23 atletas que irão fazer parte da seleção no mundial. Mas serão chamados 7 a mais, para uma eventual emergência (esses eu marquei um asterísco).

Vejam como ficou a minha seleção:

Goleiros:
Júlio Cesar
Victor
Marcos

Laterais:
Maicon
Daniel Alves
Roberto Carlos

Zagueiros:
Lúcio
Juan
Thiago Silva
Luisão
Miranda*
Alex Silva*

Meio campo:
Gilberto Silva
Thiago Motta
Kaká
Ganso
Júlio Baptista
Elano
Ramirez
Elias*
Hernanes*
Zé Roberto*

Atacantes:
Robinho
Luís Fabiano
Nilmar
Grafite
Fred
Pato
Neymar*
Kleber Gladiador*

Corinthians 1º Campeão Mundial de Clubes

Amigos corintianos e anti corintianos. Por mais que alguns de vocês esperneiem, gritem, chorem, não adianta. Esse ano fez dez anos que o Coringão levantou a taça de Campeão Mundial.

Já travei discussões homéricas com aqueles que não reconhecem o fato.  Mas eu digo à eles que se não querem reconhecer o título, tudo bem. Eles tem todo o direito! Eu, por exemplo, não acho que o SPFC ganhou nenhuma Libertadores. Palmeiras? Pffff… Nem Paulista eles venceram, coitados.

Mas o fato de eu achar que os arqui rivais não ganharam nada não vai fazer o troféu deles desaparecer, vai?

Então, o inverso é a meeeesma coisa.

O que importa é que o Coringão foi disputar o primeiro campeonato Mundial de forma justa e o venceu de forma mais que honesta. Ponto final e fim de discussão.

Li esse texto no blog do Milton Neves que explica muito bem como foi aquele campeonato disputado em Janeiro de 2000.

Não tem jeito. Corinthians: há dez anos, o primeiro campeão Mundial Interclubes

por Roberto Zanin, colunista do Terceiro Tempo

Além das festas do centenário, 2010 é importante para o Sport Club Corinthians Paulista, porque nele se comemoram os dez anos da conquista mais importante da história do clube: o Primeiro Campeonato Mundial Interclubes, da FIFA.

Em janeiro de 2000, oito clubes de todas as partes do planeta se reuniram no Rio e em São Paulo para a competição. Talvez nunca haverá, em outro torneio, uma plêiade de craques como a daquele campeonato: o Real Madrid, espécie de seleção multinacional: Roberto Carlos, Casillas, Hierro, Raul, Fernando Redondo e Anelka; no banco, reservas de luxo como Sávio, Morientes, e até um promissor jovem camaronês, Samuel Eto´o .

O Manchester United tinha jogadores como Gary Nevile, Dwight Yorke, Ryan Giggs, Andy Cole e o então jovem astro David Beckham. O Vasco da Gama, com um time reforçado para ganhar o título inédito: Mauro Galvão, Juninho Pernambucano, Ramon, Edmundo e Romário, com jogadores como Donizete e Viola no banco.

Para encarar essa turma, o mosqueteiro escalava o nervos de aço Dida, o incansável Índio, o vigoroso Fabio Luciano, o experiente Adilson Baptista e o preciso Kléber.

O meio campo com os clássicos Vampeta e Rincon, o cerebral Ricardinho e o insinuante Marcelinho. No ataque, o lépido Edilson (O bola de ouro do Mundial) e o artilheiro Luisão.

O Mundial teve lances míticos, históricos. Cito dois: o fantástico gol de Edmundo, contra o Manchester:

e o de Edilson, contra o Real Madrid, com direito a caneta em Karembeu, num dos maiores jogos já vistos no Brasil:

Mas como tudo o que envolve o Corinthians, os adversários jamais admitem a importância do título. Mas o pior para eles é que todos os seus argumentos são facilmente desmontados.

Falam do “gol” de Fábio Luciano, em que a bola realmente não entrou, mas se esquecem do gol legítimo do zagueiro João Carlos que daria a vitória contra o Real Madrid, que o árbitro anulou.

Outra objeção: por que o Corinthians foi o representante do Brasil?

Como toda competição da FIFA, a entidade garante vaga ao representante do país-sede. Como o campeão brasileiro de 99 seria conhecido às portas do Mundial, optou-se por indicar o campeão de 98.

Por sorte e competência, o Corinthians entrou como campeão de 98 e confirmou o acerto da escolha ganhando, também, o Brasileirão de 99.

O Vasco entrou como campeão da Libertadores de 98. O Manchester participou como campeão europeu de 99 e o Real como campeão intercontinental de 98.

Aliás, o único país que considera campeão mundial o vencedor do charmoso jogo entre campeão da Libertadores e campeão europeu é o Brasil. Veja o site do Real Madrid: http://www.realmadrid.com/cs/Satellite/es/Club/1193040475224/PalmaresTotal/Palmares.htm; ou o do Boca Juniors: http://www.bocajuniors.com.ar/el-club/titulos

Se o amigo leitor consultar o site do Milan ou do Barcelona, encontrará o mesmo adjetivo, “Intercontinental”, para designar a taça obtida em jogo com oponentes de apenas dois continentes.

Talvez seja o complexo de vira-lata, como dizia Nelson Rodrigues, mas parece que dizer que o Flamengo ou o Grêmio, por exemplo, são campeões intercontinentais diminuiria o feito. Mas trata-se de questão elementar. Basta consultar o dicionário.

O Houaiss, por exemplo, explica: “Mundial: relativo ao mundo como um todo, à terra inteira; geral, universal”. Ou seja: de fato, com a presença de equipes de todos os continentes, a competição de 2000, organizada pela FIFA, geraria o primeiro campeão mundial.

Outro argumento de pouca inteligência é de que o título do Corinthians não é legítimo por ele não ter vencido a Libertadores. Ora, então vamos considerar ilegítimos os títulos do Uruguai, em 30; da Itália, em 34; da Inglaterra, em 66; da Alemanha, em 74; da Argentina, em 78 e da França, em 98?

Essas seleções não disputaram as eliminatórias, por que eram anfitriões da Copa e foram campeãs.

O que aumenta ainda mais a façanha do Corinthians é que, apesar do campeonato ter sido disputado no Brasil, o alvinegro disputou o título na casa do adversário.

A presença de 30 mil corinthianos que fizeram a segunda invasão ao Maracanã, após a inigualável romaria de 76, ajudou a diminuir essa desvantagem.

O jogo foi cardíaco, tenso. Afinal, com as duplas de ataque que estavam em campo, qualquer erro seria fatal. O Corinthians, que já iniciara o torneio com o elenco cansado, combalido, teve que suportar, também, a prorrogação. Nos pênaltis, com gols de Rincón, Fernando Baiano, Luisão e Edu, uma defesa de Dida e o erro de Edmundo, o Mundo se tornava preto e branco. O capitão Rincón recebeu o troféu do presidente da FIFA, Joseph Blatter.

Parabéns, Corinthians! Cem anos de vida. Dez anos do Mundial.

Curiosidades sobre as Copas do Mundo

Retirado do Yahoo! Esportes:

Os adversários do Brasil mais frequentes nas primeiras fases dos mundiais:

Escócia 4 (74, 82, 90, 98)
Espanha 4 (34, 62, 78, 86)
Iugoslávia 4 (30, 50, 54, 74)
México 3 (50, 54, 62)
Suécia 3 (78, 90, 94)
Áustria 2 (58, 78)
Costa Rica 2 (90, 2002)
Inglaterra 2 (58, 70)
Tchecoslováquia 2 (62, 70)
União Soviética 2 (58, 82)
Argélia (86)
Austrália (2006)
Bolívia (30)
Bulgária (66)
Camarões (94)
China (2002)
Croácia (2006)
França (54)
Hungria (66)
Irlanda do Norte (86)
Japão (2006)
Marrocos (98)
Noruega (98)
Nova zelândia (82)
Polônia (38)
Portugal (66)
Romênia (70)
Rússia (94)
Suíça (50)
Turquia (2002)
Zaire (74)

1930 – Uruguai

Curiosidade: O primeiro Mundial, realizado no Uruguai, contou apenas com 13 países participantes divididos em quatro grupos. Muitas seleções europeias desistiram da competição por causa da longa viagem que teriam de fazer pelo Oceano Atlântico.

O grupo do Brasil
Iugoslávia
Brasil
Bolívia

1934 – Itália

Curiosidade: O defensor do título, Uruguai, recusou o convite para participar, num boicote aos europeus por terem ignorado a edição anterior, em 1930, tornando-se assim o único defensor de título que não competiu no torneio seguinte.

O grupo do Brasil
Nesta edição o Mundial foi disputado no estilo “mata-mata” com 16 seleções. O Brasil caiu logo na primeira fase, ao perder para a Espanha por 3 a 1. A eterna rixa entre cariocas e paulistas atrapalhou a convocação e prejudicou o desempenho verde-e-amarelo na Copa.

1938 – França

Curiosidade 1: Contra a França, a Itália seria obrigada a usar uma camisa de outra cor, já que o azul estava reservado para a seleção da casa. Assim, os italianos se apresentaram com camisa, calção e meias negras, a cor do fascismo.

Curiosidade 2: Contra a Polônia, o centroavante brasileiro Leônidas da Silva marcou um gol descalço. No segundo tempo da partida, Leônidas teve a sua chuteira estourada, descolando a sola. Enquanto sua chuteira era consertada, o atacante fez um gol sem as chuteiras, após o rebote de uma cobrança de falta.

O grupo do Brasil
Novamente a competição foi realizada no estilo mata-mata. Na primeira fase, o Brasil enfrentou a Polônia. Vitória por 6 a 5.

1950 – Brasil

Curiosidade 1: Na década de 40 não houve a disputa dos mundiais em virtude da Segunda Guerra Mundial. Em 1950, no Brasil, apenas 13 seleções participaram.

Curiosidade 2: Dois outros times, Turquia e Índia, também desistiram após se classificarem. A Índia não foi pois a Fifa não permitiu que eles jogassem descalços. França e Portugal foram convidados para repor as vagas, mas declinaram.

O grupo do Brasil
Brasil
Iugoslávia
Suíça
México

1954 – Suíça

Curiosidade: A partir dessa Copa, o Brasil passsou a usar o uniforme com a camisa amarela e o calção azul. Depois da derrota no Mundial de 1950, o uniforme antigo (camisa branca e calção azul, usado desde 1919) foi considerado uma das fontes de azar.

O grupo do Brasil
Brasil
Iugoslávia
França
México

1958 – Suécia

Curiosidade: A Inglaterra tinha um bom time, mas veio enfraquecido, pois, seis meses antes do torneio, perdera Duncan Edwards, Tommy Taylor, e Roger Byrne, num desastre de avião em Munique. Os jogadores eram do Manchester United, equipe tricampeã inglesa, base da seleção nacional. Com isso, tiveram que refazer os planos para o Mundial, convocando veteranos da Copa de 1950.

O grupo do Brasil
Brasil
União Soviética
Inglaterra
Áustria

1962 – Chile

Curiosidade: Três dias antes da Copa, a Fifa decidiu as regras para a naturalização de jogadores. As medidas visavam a acabar com a troca de países por parte de jogadores. Exemplos clássicos incluiam Di Stéfano e Puskás, ídolos respectivamente da Argentina e da Hungria, que nessa Copa iriam jogar pela Espanha. Ainda havia o caso de Mazolla que jogou a Copa de 1958 pelo Brasil e, em 1962, atuou pela Itália. As regras determinavam que a partir da próxima Copa, em 1966 um jogador só poderia jogar por uma seleção se nunca tivesse participado de partidas oficiais por qualquer outro país.

O grupo do Brasil
Brasil
México
Tchecoslováquia
Espanha

1966 – Inglaterra

Curiosidade: A edição causou discordâncias antes mesmo da bola rolar. Dezesseis nações africanas boicotaram o torneio em protesto contra uma resolução da Fifa, de 1964, demandando que o vencedor da zona africana enfrentasse o vencedor da zona asiásticaou da zona oceânica para se classificar à fase final. Os africanos acreditavam que vencer sua zona deveria bastar por si só para ter um lugar nas finais.

O grupo do Brasil
Portugal
Hungria
Brasil
Bulgária

1970 – México

Curiosidade 1: Pela primeira vez, substituições foram permitidas em Copas do Mundo. Cada equipe poderia fazer duas alterações durante o jogo.

Curiosidade 2: Os “não gols” de Pelé. A Copa de 70 foi marcada por alguns prováveis golaços do Rei do Futebol que acabaram não saindo, como no jogo contra a Tchecoslováquia, num chute do meio-campo, que a bola saiu por milímetros e outro contra a Inglaterra, em que Gordon Banks defendeu uma cabeçada a queima-roupa de Pelé. O lance acabou sendo considerado a “defesa do século XX”.

O grupo do Brasil
Brasil
Inglaterra
Romênia
Tchecoslováquia

1974 – Alemanha Ocidental

Curiosidade 1: A Escócia se tornou a primeira seleção a ser eliminada na 1ª fase sem perder um só jogo. Curiosamente, ela foi a única equipe invicta do torneio.

Curiosidade 2: Foi o primeiro mundial que ocorreu o primeiro caso de doping. O fato ocorreu com o zagueiro do haitiano Jean-Joseph, na partida em que sua seleção foi goleada pela Polônia por 7 a 0. No dia seguinte ao anúncio pela Fifa, seguranças da delegação tiraram o atleta do quarto onde dormia e deram uma surra. Em comunicado distribuído à imprensa, a delegação do Haiti disseram que a agressão foi justificada pelo doping, onde o zagueiro com sua atitude envergonhara a sua pátria.

O grupo do Brasil
Iugoslávia
Brasil
Escócia
Zaire

1978 – Argentina

Curiosidade 1: Para disputar suas sete partidas, o Brasil percorreu 4659 quilômetros pela Argentina. Já a Argentina percorreu apenas 618 quilômetros. Será que foi proposital?

Curiosidade 2: O jornal inglês Sunday Times denunciou que os argentinos estavam fraudando os testes antidoping. Segundo o diário, a urina para os exames após cada partida não era fornecida pelos jogadores, que consumiam fortes doses de anfetaminas. Um homem teria sido contratado só para urinar.

O grupo do Brasil
Áustria
Brasil
Espanha
Suécia

1982 – Espanha

Curiosidade: Antes de embarcar para a Espanha com a seleção, o lateral Júnior gravou e lançou um compacto com a música “Povo Feliz”, mais conhecida como “Voa Canarinho”, que foi a música-tema da equipe para o mundial. A música fez tanto sucesso no Brasil, que o compacto vendeu mais de 200 mil cópias durante a Copa.

O grupo do Brasil
Brasil
União Soviética
Nova Zelândia
Escócia

1986 – México

Curiosidade 1: No dia do embarque para o México, o lateral brasileiro Leandro desistiu de participar da Copa. Ele disse que a atitude era em solidariedade ao corte de seu companheiro, Renato Gaúcho, que havia saído da concentração sem permissão. Além disso, Leandro já não jogava mais no Flamengo como lateral direito, posição para qual Telê Santana o convocara, mas sim como zagueiro.

Curiosidade 2: Na estréia do Brasil, contra a Espanha, o DJ do Estádio Jalisco tocou o Hino à Bandeira do Brasil, em vez do Hino Nacional Brasileiro.

O grupo do Brasil
Brasil
Espanha
Irlanda do Norte
Argélia

1990 – Itália

Curiosidade 1: Dos 115 gols marcados nesta edição, 52 foram de bola parada.

Curiosidade 2: Depois do jogo com a Argentina, o lateral Branco saiu dizendo que havia pedido água ao massagista da equipe adversária e, depois de beber, tinha ficado zonzo. Estranhou que a água dada a ele não fosse do mesmo frasco entregue a Maradona. Ficou preocupado e comunicou ao bandeirinha. A história, que parecia uma desculpa pelo fracasso da seleção em campo, acabou sendo comprovada no início de 1993 pelo massagista argentino Miguel di Lorenzo. Ele confessou ao jornal El Clarín que, em sua maleta, havia dois tipos de água: uma para os argentinos e outra para os brasileiros. As garrafas foram entregues pelo técnico Carlos Bilardo.

O grupo do Brasil
Brasil
Costa Rica
Escócia
Suécia

1994 – Estados Unidos

Curiosidade 1: Foi o último mundial a ter 24 seleções disputando o torneio. Na Copa da França, em 1998, seriam 32 seleções, critério que se segue até hoje.

Curiosidade 2: No jogo entre EUA e Colômbia, o zagueiro Andrés Escobar marcou um gol contra, na derrota por 2 a 1. Dias depois, já de volta ao país, o zagueiro foi brutalmente assassinado com 15 tiros num restaurante em Medellín. Outro que sofreu foi o goleiro camaronês Joseph-Antoine Bell, que teve sua casa incendiada. Ele foi apontado pelos torcedores como culpado pela péssima campanha dos Leões Indomáveis no torneio.

Curiosidade 3: O meia argentino Diego Armando Maradona foi flagrado no exame antidoping na partida entre Argentina e Nigéria, na primeira fase. Em sua urina foram apresentadas as seguintes substâncias: efedrina, norefedrina, pseudoefedrina, norpseudoefedrina e metaefedrina. A Fifa puniu o jogador com 15 meses de suspensão.

O grupo do Brasil
Brasil
Camarões
Rússia
Suécia

1998 – França

Curiosidade 1: Daniel Passarella, técnico da Argentina na Copa de 1998, deixou Fernando Redondo e Claudio Caniggia de fora do torneio. Motivo: ele não queria nenhum atleta com cabelos longos na delegação. O artilheiro Gabriel Batistuta foi convocado, mas teve que dar uma passadinha no cabelereiro antes de viajar.

Curiosidade 2: Inconformado com a eliminação do Iraque nas Eliminatorias, o presidente da Federação Iraquiana de Futebol, Qusay Hussein, mandou os jogadores da equipe irem para o quartel do exército de seu pai, o ditador iraquiano Saddam Hussein. Ao entrarem, os jogadores foram surpreendidos com voz de prisão de soldados e em seguida foram torturados pelos mesmos. Na saída, Qusay disse: “Joguem melhor na próxima vez!”.

Curiosidade 3: Ronaldo teve uma convulsão na concentração horas antes da final contra a França. Mesmo visivelmente sem condições de atuar, ele foi para o jogo. Muitos acusam até os dias de hoje a empresa fornecedora de materias esportivos de ter obrigado o jogador a entrar em campo por questões contratuais.

O grupo do Brasil
Brasil
Noruega
Marrocos
Escócia

2002 – Coréia do Sul e Japão

Curiosidade: Foi a primeira vez que dois países sediaram unidos o evento, a primeira vez que três seleções – França, Japão e Coréia do Sul – estavam classificadas automaticamente e a primeira vez que uma edição da Copa não aconteceu na Europa ou nas Américas.

O grupo do Brasil
Brasil
Turquia
Costa Rica
China

2006 – Alemanha

Curiosidade 1: Zinedine Zidane, sugerido pela bancada da Fifa para ser o melhor jogador da copa, não só pela habilidade como pelo pequeno número de faltas até então, desferiu uma cabeçada com força no peito de Marco Materazzi na finalíssima da Copa. Segundo o jogador francês, o defensor italiano teria dito um palavrão a respeito da sua irmã. Isto implicou em sua expulsão e deu um motivo a mais para a derrota francesa.

Curiosidade 2: Com os 2 golos marcados contra o Japão na vitória por 4 a 1, o atacante Ronaldo chegou a 14 gols em Copas, ultrapassando assim Pelé, que marcou doze, e igualando o recorde do alemão Gerd Müller, com os mesmos 14. No jogo seguinte, contra Gana o Fenômeno marcou mais um e tornou-se o maior artilheiro da história das Copas com 15 gols marcados.

O grupo do Brasil
Austrália
Brasil
Croácia
Japão

É amanhã! 1º de Setembro!

PanfletoSite

mundo-dia-do-corinthians

O mundo dá voltas

OgAAAJXpHtuRUwATZfbP0Nu6PHgNyCF1XIs6MA9oeOVIqFAX-yUjm5TgiO5ENeWwdvrqjBMO8NZmKaAyjmK5SeFkD4gAm1T1UGbeFVUJ_ds7cVGdpLhx6NAIkkQI

Parabéns Corinthians, campeão da Copa do Brasil 2009.